É compreendida como a maior força que o sistema neuromuscular pode oferecer por meio de uma contração máxima voluntária, menciona Weineck, (1999). O autor mencionado ainda afirma que existe uma força ainda maior que a força máxima, sendo denominada força absoluta. A força absoluta é determinada pela soma da força máxima e da força de reserva, que só se manifesta em condições de risco como: risco de vida.

A diferença entre as forças máxima e absoluta chama-se déficit de força, que tem uma variação entre 10% e 30%, de acordo com o nível de treinamento de cada pessoa. O déficit de força é mensurado através das diferenças de desempenho em força durante a contração isométrica, excêntrica e pela análise das forças isométricas máximas e eletro estimulação, sendo assim, quanto mais excêntrica a força, maior o déficit de força, mostrando o mau desempenho do atleta, afirma Weineck, (1999).

 A força máxima pode ser dividida em dinâmica e estática. A força máxima dinâmica é a força que o sistema neuromuscular pode executar de forma voluntária em movimentos seqüenciados. A força máxima estática só se desenvolve se houver equilíbrio entre a carga e a capacidade de contração do músculo, assim, será sempre maior do que a força máxima dinâmica, cita Weineck, (1999).

O desenvolvimento da força máxima concêntrica e excêntrica faz com que a curto prazo aconteça um aumento da força, promovendo uma melhoria da coordenação intramuscular, e isoladamente, a unidade motora não apresentará melhorias, cita Weineck, (1999).

De acordo com Roig (1990?), o desenvolvimento da força máxima irá proporcionar ao atleta de wushu um maior recrutamento das fibras musculares, permitindo a execução dos movimentos com maior aplicação de força.